Páginas

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Só por respirar (Estar a matar porque se esta a morrer)

Só digo que não sei quantas palavras são mortas
a cada vez que respiro.
Sei que respiro
e morro cada pouquinho a seu tempo.


Tenho tempo de morrer enquanto vivo,
nunca de viver enquanto morro.


Coisa para a qual tenho tempo é morrer.
Distraio-me da morte, sempre,
como passatempo.


Morrer, o único verbo
de minha existência no presente,
como coisa presente.


Fazendo milhares de coisas neste tempo
nunca tenho tempo, e se tenho,
logo algo me toma o tempo.
E leva tempo pra perceber
que não da tempo de deter...


Como disse, não sei quantas
palavras são mortas a cada vez que respiro,
mas respiro e morro enquanto estou a matá-las,
a certeza que fica é a de que
so vivo ao matar-me um pouco.

O mais frio dos assassinatos
(como se matasse outro),
Friamente, lentamente...
Enquanto respiro.

Poeta Eterno

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin