Páginas

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Olhos azuis sem fumaça.

Como pode, o teu olhar no meu...
Quanto pode o teu olhar no meu?
Quanto posso quando teu olhar é meu?
Quando o meu olhar é meu?

Quando olhamo-nos e somos nós?
E somos sós?
Quem fomos enquanto permanecíamos?
Poeta Eterno

5 comentários:

myra disse...

adorei!!!!!!!!!!!!!!
abraçO!!!

www.myra-parole.blogspot.com

Jota Brasil disse...

Grande Didi!!!!!!!!!!
Voge é gigante na escrita
Um olhar dentro do outro como jogos de espelhos...genial

Reflexo d Alma disse...

HUNNNN
esse ceu tem cor agora?volto depois...
bjins entre sonhos e delirios

Aline Oliveira disse...

Adorei o poema...
Estou seguindo aqui ;D

beijos; boa noite!

Dilberto L. Rosa disse...

Brilhantes jogos de palavras, meu caro, num poema crescente e surpreendente! Parabéns! Abração!

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin