Páginas

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Amiga

Amiga

Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
A tua amiga só, já que não queres
Que pelo teu amor seja a melhor
A mais triste de todas as mulheres.

Que só, de ti, me venha magoa e dor
O que me importa a mim? O que quiseres
É sempre um sonho bom! Seja o que for,
Bendito sejas tu por mo dizeres!

Beijá-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascessemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei pra minha boca!...

Florbela Espanca

Fonte: http://www.jornaldepoesia.jor.br

Um comentário:

..::Andressa::.. disse...

Oi Di! Que vida a de Florbela! Li a biografia naquele outro blog "legal e bom" (huahauhau)

Esse poema é lindo, eu li ontem. Fiquei nele um tempão!
Eu olhava pra ele... e ele olhava pra mim... lindo!

bjsss

(passe no meu blog pra tomar um café, ele ta com saudades)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin