Páginas

sábado, 31 de março de 2007

Cornucópias

Cornucópias

Verão de se pensar em passar,
Girando em ver, voando.
De ver as cornucópias,
Latentes e pulsantes,
Vibrantes de verde e cintilante,
Tremendo de um sabor inebriante.
Sem pensar.

Outono de se saber do abandono,
De se saber parar, para olhar,
Para colher, para secar,
Atônito inconstante,
Marrom e amarelo distantes,
A saber, da vida,
Seu lado errante.

Na primavera, dois dançarinos,
A girar os sóis de seus girassóis,
Em um espaço concentrado,
De cor de rosa e violeta,
A florir centelhas de luz na Via Láctea,
A soprar de um mundo
As flores de seu conto de fadas.

Inverno de saber ser terno,
De se ter à mão amor,
E de se ter amor ou não,
Pra sentir-se frio e quente,
Pra aquecer do peito à mente,
Um sentir que é azul e cinza chumbo,
Na névoa fria das madrugadas,
Para as dores sós e caladas.

ღ.Røså.ღ

Nenhum comentário:

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin